Onde estou? HOME | CHEZ CONVIDA

Convida

Sérgio Ortiz




Você fez o projeto de restaurantes como Floriano, Lupercio, Z-deli sanduíches. Gostaria que você falasse sobre sua relação com a gastronomia. 
 
Sempre gostei muito de frequentar restaurantes e etc. Teve uma época que bastava abrir um lugar e eu já conhecia. Mas, infelizmente, dada a correria, já não faço mais tanto isso, mas sempre procuro me manter antenado. Até hoje amigos e clientes me ligam para perguntar aonde ir. Com relação ao meu trabalho, restaurante é uma das coisas que eu mais gosto de fazer. outros
 
Que lugares você gosta de frequentar em São Paulo? 
 
Carlinhos (no Pari), Acrópoles (no Bom Retiro), Vó Sinhá (do mineirinho Marcelo), Z-Deli (se a Zenaide e a Rosa estiverem lá), e agora o Lupércio, projeto de nossa autoria (eu e minha sócia Maria Fernanda Martini) que, modéstia à parte, ficou muito bacana.
 
Os banheiros do Floriano são famosos... Além dos vasos de luminária, há frases nas paredes e que homenageiam Marcel Duchamp.  Seu trabalho é inspirado no do artista? 
 
Absolutamente, inclusive vou confessar em primeira mão, que este trabalho não teve inspiração nenhuma, foi apenas um argumento inventado pós-execução com o simples objetivo de repercussão.
 
Há uma nova geração de artistas plásticos, jovens, aparecendo cada vez mais. Que artistas contemporâneos você gosta e por quê? 
 
Conheci recentemente uma artista chamada Adriana Conti Melo, cujo trabalho achei muito interessante pois remete muito à minha área de arquitetura. E o mais legal é que segundo ela mesma... "Estou buscando um lugar, mas ainda não sei qual.", inclusive fica a dica que ela fará uma exposição a partir do dia 23/05, na galeria Central Ímpar (R. Mourato Coelho, 1017)
 
E do universo da arquitetura?  
 
Oscar Niemeyer, que inclusive, acabei de ouvir no rádio que teve alta hoje, aos 104 anos de idade.
 
Como você vê a relação entre gastronomia e cultura? 
 
Acho que cada vez mais, pós Alex Atala, a nossa gastronomia está valorizando a cultura brasileira, deixando um pouco de lado a mania pedante de só valorizar o que vem de fora, nas mais diversas áreas.
 
Você trabalha projetando casas e espaços de outros. E a sua casa, como é? O que você mais gosta da decoração e do espaço dela? 
 
Minha casa realmente não tem nada do trabalho que faço para os outros. 90% dela é feita com coisas que sobraram de clientes, desde máquina de lavar roupa, geladeira, cama, tapete, etc, e também por coisas consideradas lixo, garimpadas por aí. O que mais gosto nela é minha máquina de fliperama, que quando comprei, há 20 anos, até minha avó jogava comigo.
 
Às vésperas da conferência Rio+20, falando ainda de desenvolvimento sustentável e meio ambiente, como você avalia Brasil nesse debate de preservação e desenvolvimento sustentável? 
 
Acho realmente que as pessoas e empresas buscam isso de uma maneira enganosa pura e simplesmente para ter mídia e visibilidade. Há alguns anos, fizemos o projeto de um restaurante (Páteo da Luz) onde, sem pensar nisso, acabamos percebendo  que fizemos um projeto bastante sustentável com restos de madeira, ferro, mármore, tijolo, inclusive com um forro de 120 mil pregadores de roupa feitos com madeira de reflorestamento.


 

...

Chez Convida

 

...